Aquecimento com Drop Jump – II

Há muitas pesquisas que apontam a eficácia do treino de força pesado antes de um sprint para aumentar a capacidade de aceleração (efeito PPA).

Na prática, fazer agachamento ou terra pesado durante o aquecimento antes da competição, nas linhas laterais ou antes de uma corrida é impraticável. Assim, métodos mais simples para usar a potencialização pós-ativação merecem destaque.

ESTUDO

Foi estudado os efeitos de aquecer com drop jump para o sprint de 20m. A amostra foi de 29 atletas universitários de esportes coletivos. Foram testados três protocolos de aquecimento: 1) Controle = 5 min de corrida; 2) Dinâmico = 10 alongamentos dinâmicos após 5 minutos de corrida e, 3) Drop = 5min corrida+ alongamentos dinâmicos + 3 saltos drop jump

Cada atleta realizou todos os 3 protocolos em ordem aleatória. A altura de queda do drop jump foi testada uma semana antes.
As análises estatísticas revelaram diferenças significativas entre os 3 protocolos. O grupo de aquecimento dinâmico correu 2,2% mais rápido que o grupo controle. O grupo drop correu 5.01% mais rápido do que controle e 2,93% mais rápido que o grupo dinâmico.

CONSIDERAÇÕES

A análise dos tempos individuais mostrou que 27 de 29 indivíduos correram seu melhor após o protocolo drop. Assim, parece claro que o drop jump mehora significativamente o sprint de 20 metros nesse grupo de atletas .

Esses resultados dão suporte a uma forma mais simples e prática de induzir o efeito PPA sem necessidade de equipamentos. Os treinadores devem ter em mente que o drop jump é para atletas mais avançados ( não sendo adequado para atletas juvenis ou mais fracos).

MAIS SOBRE DROP JUMP E PLIOMETRIA

Se você quer saber mais sobre como progredir no treinamento pliométrico de forma segura até o drop jump, conheça o livro
Pliometria: sequência racional.

Você pode baixar o primeiro capítulo aqui 👉 http://treinamentoesportivo.com/index.php/livros/

Em breve teremos um curso online especialmente dedicado a pliometria, fique atento! Forte abraço
(João Coutinho)

Ref – J Strength Cond Res. 2014 Mar;28(3)

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *