Treinamento balístico vs Treino força

Este estudo investigou os efeitos do treinamento balístico em comparação ao treinamento de força tradicional na composição de fibra muscular, força máxima, pico de força (PF) e pico de potência (PP).

Foram sujeitos 14 homens que treinaram força por 3 meses durante o estudo, testados pré e pós para 1RM de agachamento, PP no jump squat. O pico de força e a taxa de desenvolvimento de força (TDF) foram testadas na MT Pull isométrica (puxada do meio da coxa, um dos exercícios LEO que abordo nos cursos)

Além disso, biópsias musculares foram obtidas a partir do vasto lateral para análise da composição da fibra muscular. Os indivíduos foram divididos em grupo treino balístico (T) ou controle (C). O Grupo T realizou 8 semanas de treinamento com agachamento com salto usando um programa periodizado com cargas entre 26 e 48% de 1RM, 3 vezes por semana.

Resultados Obtidos

O grupo T mostrou uma melhoria significativa no PP e na TDF. Nenhuma alteração ocorreu no PF, aumento de 1RM ou alteração do tipo de fibra muscular para esse grupo. Não ocorreram alterações em quaisquer variáveis ​​no grupo C.

Os resultados deste estudo indicam que o uso de exercício balístico é um método eficaz para aumentar PP e TDF independentemente das alterações na força máxima, e que esses aumentos são resultado de outros fatores que de mudanças no tipo de fibra muscular.

PRÓXIMO CURSOS:
Conheça o Curso ONLINE Periodização. Inscrições -> https://goo.gl/uQ1ChK

Marque quem possa se interessar sobre o assunto.
Forte abraço!
(João Coutinho)

 

ref -> J S and Cond Res ,22(6) (2008)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *