Efeito do treino de exaustão na técnica

Jogar em condições de cansaço é necessário para a maioria dos esportes intermitentes individuais e coletivos. Como treinadores, procuramos minimizar os efeitos da fadiga através da organização da preparação física dentro do processo de treinamento dos nossos jogadores.

Um alto nível de “condicionamento específico” permite suportar a fadiga, preservando as ações técnicas e, assim, aumentando o desempenho e diminuindo o risco de lesão.

Vale lembrar que Gabett (2000), acompanhou durante 3 temporadas consecutivas jogadores amadores de rugby e descobriu que “mais lesões ocorreram nos últimos meses da temporada com a maioria das lesões ocorrendo no segundo tempo das partidas”. A maior parte das lesões provavelmente ocorre na segunda metade dos jogos à medida que a fadiga aguda se acumula e na segunda metade da temporada, quando a fadiga crônica se acumula.

PROTOCOLOS DE CONDICIONAMENTO EXTREMO

Uma área crescente no treinamento esportivo é o uso de “Protocolos de Condicionamento Extremo” (ECP). Este tipo de treinamento pode incluir protocolos estilo Crossfit, condicionamento metabólico e assim por diante.

O treinamento ECP pode ser caracterizado por altas repetições com cargas moderadas e períodos de recuperação mínimos (fazendo o máximo de trabalho no menor tempo possível). Sem dúvida, há um alto risco de lesões envolvidas com o exercício físico em estado cansado, particularmente com movimentos balísticos e derivados do LPO.

O uso do ECP pode ser eficaz para melhorar tanto o condicionamento físico e / ou composição corporal, mas os riscos da sua utilização no ambiente esportivo devem ser seriamente considerados pelos treinadores.

ESTUDO

Um estudo de 2014 examinou as mudanças na técnica de agachamento durante um treino simulado de ECP com universitários (n=25) com experiência em TF.. O treino consistia em agachamento, supino e terra com 75% de 1RM no formato de circuito com repetições descendentes (10, 9, 8..etc.) até chegar a uma repetição o mais rápido possível (o tempo foi registrado).

Os pesquisadores descobriram que as mudanças na técnica do agachamento resultaram em uma maior inclinação do tronco a frente, resultando em maior força de cisalhamento na coluna e mudanças no ângulo do joelho (profundidade do agachamento). As mulheres foram mais suscetíveis às mudanças técnicas do que os homens. Os pesquisadores destacaram que os desvios na técnica de agachamento aumentam o risco de lesões.

PERIODIZAÇÃO

No esporte a programação da preparação física tem como primeiro objetivo diminuir o risco de lesão. Como digo nos cursos “atleta que não compete, não trabalha” ou “melhor um atleta fraco competindo, que um forte machucado”.

Isso envolve uma estruturação do treino planejada e apropriada, onde as habilidades técnicas são desenvolvidas mas mantidas na presença de fadiga.

O uso de ECP e treinos extenuantes no final do treino técnico são provavelmente um risco que não vale a pena correr. Existem para os atletas formas mais apropriadas de desenvolverem e manterem seu condicionamento.

Caso seja seu interesse em aprender a fundo como manejar essas questões para atletas faço o convite para conhecer o Curso Online Periodização, as informações estão aqui  Curso Online Periodização

Marque quem possa se interessar sobre o assunto. Forte abraço! (João Coutinho)

Ref -.British J of Sports Med, 2000 34(2) / J of Strength and Cond Res, 2014 28(4)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *