Efeito do Treinamento de força na velocidade!

A força é uma capacidade específica, portanto o modo como você direciona seu treino promove o tipo de adaptação de força. Por exemplo: treinamento excêntrico leva a grandes ganhos de força excêntrica do que concêntricos isométricos. Da mesma forma, treinar com pesos em alta velocidade leva aumento de força em alta velocidade.

Foram divididos 24 sujeitos com experiência em treinamento de força em um dois grupos:

– Grupo V20 = parava o exercício quando havia uma redução de 20% na velocidade da barra em comparação com a repetição inicial.

– Grupo V40 = parava quando a velocidade reduzia a 40% da inicial (mais próximo do treinamento de falência muscular.).

Os pesquisadores compararam os efeitos de dois programas de treinamento nos testes de Sprint de 10 e 20 m, salto vertical, 1RM de agachamento completo e análise de biópsia muscular.O estudo durou oito semanas com dois treinos semanais totalizando 16 sessões. Ambos os grupos utilizaram o mesmo percentual do máximo para cada exercício.

Observações e resultados:

1 – o V20 treinou com uma velocidade de barra muito maior do que o V40 ao passo que o V40 performou um número total de repetições muito maior.

2 – Nos testes tanto V20 quanto V40 melhoraram no agachamento, nenhum conseguiu baixar o tempo nos sprints e no salto vertical somente o grupo V20 obteve uma melhora na altura.

3 – Ambos apresentaram similaridade quanto a hipertrofia principalmente devido ao aumento na área das fibras do tipo I. A proporção entre as fibras tipo I : II não foi alterada.

Desta forma os pesquisadores concluíram que treinar com uma pequena redução de velocidade talvez seja melhor para ganhos de força e desempenho esportivo enquanto que uma grande perda de velocidade seja preferível para hipertrofia.

Se você se interessa pelo assunto LPO e Pliometria, vou ministrar o último curso prático presencial de 2017. As inscrições estão abertas e aproveite o valor especial fazendo os 2 cursos!

-> Informações no link: http://bit.ly/SPpotencia2 .

Marque quem possa se interessar sobre o assunto.

Forte abraço!
Prof João Coutinho

ref -> Pareja-Blanco et al scandinavian Journal of medicine and Science in Sports 2016.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *