Levantamento Olímpico e a potência muscular

goi05A potência é a característica da força predominante na maioria das modalidades esportivas. Esportes que exijam saltos, sprints curtos, mudanças de direção e agilidade – como tênis, basquete, vôlei e handebol – se beneficiam do treinamento da potência. Estas ações necessitam da coordenação de todo o corpo para serem perfeitamente executadas, portanto o atleta deve condicionar seu corpo a executá–las. Somente os exercícios com pesos livres permitem ao atleta treinar desta forma.

Os exercícios com peso livre, multiarticulares e de cadeia cinética fechada (onde a extremidade do membro fica fixa) são reportados na literatura científica como sendo os que oferecem maiores demandas metabólicas, estabilização e coordenação (1) (2) . Como exemplo desses tipos de exercícios temos os levantamentos olímpico, agachamentos, levantamento terra, entre outros

A utilização de máquinas para se treinar potência em atletas é uma prática bastante comum, porém é preciso levar em consideração que a máquina retira o efeito de estabilização e coordenação do exercício, pois opera em um padrão fixo de movimento. Conseqüentemente a demanda metabólica tende a diminuir. Além disso, o atleta se vê obrigado a se ajustar ao padrão da máquina, ignorando sua própria característica anatômico–funcional. O ponto é que as máquinas foram criadas para treinar músculos e não movimentos. Para o treinamento de atletas o princípio mais importante é o da especificidade, que inclui a mesma ativação bioenergética e mecânica da modalidade praticada no exercício (1)(2) . O atleta deve treinar como ele compete!

Relação Levantamento Olímpico e Potência muscular

Estudos demonstram que os exercícios de levantamento olímpico – o arranco, o arremesso e derivados destes – são os exercícios de peso livre que produzem o maior pico de potencia (1)(4) . Os levantamentos olímpicos utilizam a coordenação de todo o corpo para serem executados. Além disso, fazem à completa extensão das articulações dos membros inferiores (quadril, joelho e tornozelo) num padrão similar ao utilizado no salto vertical e sprints (3) .

MacBride et al (1999) comparou levantadores de peso, levantadores básicos(“ powerlifters” ), velocistas e sujeitos destreinados. A potência produzida foi calculada através de saltos com peso 20kg; 40kg; 30%, 60% e 90% de 1RM normalizado pela massa corporal do sujeito. Os resultados estão apresentados no quadro abaixo:

Os levantadores de peso atingiram o maior pico de potência em todas as cargas analisadas. Estes resultados indicam que o treinamento de LPO influencia diretamente no aumento da potência.

Conclusão

O treinamento de LPO promove o aumento da potência dos levantadores de peso, portanto a inclusão desses exercícios para as demais modalidades esportivas parece ser uma opção a ser considerada. Esta aplicação do LPO em outras modalidades esportivas será explorada num próximo ensaio.

Referências:
(1) Treinamento de força para o esporte. Artemed, 2004.

(2) Fundamentos do treinamento de força. Artemed,2001.

(3) Canavan et al. Kinematic and kinetic relationships between an Olympic–style lift and the vertical jump. Journal of Strength and Conditioning Research 10(2): 127–130, 1996.

(4 ) McBride et al. A Comparison of strength and power characteristics between power lifters, Olympic lifters and sprinters. Journal of Strength and Conditioning Research 13:58–66, 1999.

VEJA MAIS:

-> CURSO: LEVANTAMENTO OLÍMPICO NA PREPARAÇÃO FÍSICA

-> VÍDEOS: treinamento de atletas

.: João Coutinho (CREF 25473-G/SP), preparador físico de atletas juvenis e profissionais de tenis. Ministra o curso Treinamento De Potência (LPO – Pliometria – Periodização) desde 2009, tendo ensinado +500 profissionais em todo o Brasil e no exterior ao longo dos anos!

.:Trabalhou com atletas de voleibol, judô e futebol na parte de treinamento de força e potencia. Prestou consultoria técnica na sel. Fem. Rugby e no G.E. Barueri e a Escola Ed.Física do Exército (ESEFEX)

.: Possui Curso técnico internacional de Levantamento Olímpico (COI) e Pliometria Cubana. Co-autor do livro “Força e potência no esporte: LPO”

.: Bacharel em Esporte pela USP, especialista em prep. física de tênis e de Força e Potencia (Argentina). Publicou artigo científico na área.

.: treinamentoesportivo.com@gmail.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *